Quinta-feira, 31 de Maio de 2007
Vamos Negociar?!
Um dia destes quando visitou Oeiras, para inaugurar um Centro de Saude Familiar, o senhor ministro da saude disse mais ou menos isto: "As autarquias que tem negociado com o governo, tem tido bons resultados!".
No seguimento de inquietacoes minhas, expostas na entrada anterior, queria fazer uma pergunta, que provavelmente nem tera resposta:
E a autarquia fornense, ja tera experimentado negociar com o governo, contrapartidas pelo encerramento do SAP?
Nao e que espere muito deste governo, pelo passado recente de encerramentos a torto e a direito, mas tentar nao custa nada. Ou sera que o governo so negoceia com as autarquias do litoral?
Ja diz o nosso povo: "Quem nao pede, (neste caso, negoceia) nao mama!".
Aparentemente!!!
publicado por dalgodres às 03:21
link do post | comentar | favorito
 O que é? |
12 comentários:
De Amaral a 31 de Maio de 2007 às 06:21
Al Cardoso
Talvez não interesse nem à autarquia, nem ao governo.
Abraço
De Fernando a 31 de Maio de 2007 às 12:50
Amigo Cardoso, no global, não discordo de todo das medidas relacionadas com a Saúde que o actual governo está a tomar, haverá alguns casos pontuais que também me parecem injustos. Todos nós sabemos que este sistema de saúde tal como está, está mal, basta ver o numero de utentes com falta de médico de familia ou o tempo que se demora para ter uma simples cirurgia, que até nem é o meu caso. Por exemplo, na questão relacionada com redução do horário de funcionamento nocturno, se isto se traduzir no aumento do numero das consultas diárias, dadas dos médicos, até que seria bastante positivo para as populações em geral, que muitas das vezes têm que as marcar no inicio do mês , para as poderm ter no fim do mesmo, muita das vezes já nem irão precisar delas. Ridiculo!
Abraço.
De asn a 31 de Maio de 2007 às 18:02
Eu bem que gostaria de ser mais assíduo na visita a certos blogues, entre os quais o d´Algodres" mas a verdade é que ando com a minha vida profissional tão complicada com o Simplex que nem sei para que lado me hei-de virar. Talvez que a solução ideal seja mesmo dar lugar aos mais novos. Aliás, assim é que devia ser. A partir dos 60 muitos de nós só andamos para aqui a empatar. Particularmente os que já trabalham a doer e a descontar para a Segurança Social desde os 19 anos como é o meu caso. Isto ainda não me atou mas mói mesmo.
E depois temos a dificuldade em ter assistência médica do SNS. Ir prás bichas estar horas a fio à espera duma esmolinha? Horas que podiam estar a ser produtivas para a economia nacional?
Para isto então passe-se ao sistema do seguro de saúde (obrigatório) e nós gerimos o nosso tempo e a nossa saúde.
Bolas que isto não é vida não é nada!
Um abração AL
De Vagamente a 1 de Junho de 2007 às 09:09
Amigo Cardoso pelo que se fala por Fornos houve pouco interesse nas Forças Vivas para em que o centro de saúde estivesse aberto,das 24 às oito da manhã, então para quê negociar. Diga-se de passagem, esta medida do nosso governo em alguns centros de saúde deste Portugal até nem é má, pois em muitos como o nosso em que o atendimento mensal da meia noite ás oito da manhã e nulo ou quase, só traz gastos aos cofres tão deficitários das contas públicas.
Penso que haverá outros assuntos dentro da saúde que deveriam ter mais discussão e até muito mais negociação, o caso da marcação de consultas, o modo como é feito acho errado, pois traz as pessoas a horas pouco aconselháveis principalmente no inverno, muitas delas de alguma idade. A marcação de cirurgias, ou consultas de outras especialidades mais rápidas. E a implantação de o horário do médico ser das 9horas até ás 17h e 30m, ai sim era uma óptima medida, as urgências ficavam muitas vezes vazias.
De J.G.Sineiro a 1 de Junho de 2007 às 10:54
Partindo princípio que alguém do seu staff será capaz de dizer ao ministro onde fica Fornos d'algocres, e partindo do princípio de que aos representantes da autarquia interessa, acho que, de facto, mal não faria tentar negociar, mesmo com este governo...

Um abraço, que há muito não "nos vemos"!

J.Sineiro (d'O Sino da Aldeia)
De joão oliveira a 1 de Junho de 2007 às 11:58
Ola amigo Cardoso.
Qualquer dia para para fazermos um curativo temos que ir a Lisboa.
um abraço
De Alexandre Lote a 2 de Junho de 2007 às 22:30
amigo Al, eu sinceramente nao sei se valerá a pena negociar?

A sério que não sei!

Primeiro porque ainda não sei quais os planos quanto à re-estruturação das urgÊncias. Se no caso de um urgência em fornos o doente tiver de ir para a Guarda parece-me impossivel que Fornos venha a conseguir manter as urgências de noite, uma vez que não seria correcto um doente de Celorico por exemplo, vir a Fornos ser observado para depois ir para a Guarda (estaria a andar para trás e a perder tempo).

No entanto, julgo que só peca por tardia esta re-estruturação,pois caso venha a ser bem feita certamente será uma mais-valia para as populações no que diz respeito ao acesso aos médicos de família!

1 abraço amigo Al.
De A. João Soares a 3 de Junho de 2007 às 13:16
Tudo tem mudado pelo País fora e, portanto, tem de haver reorganização dos serviços. O que custa é ver decisões tomadas sobre o joelho e passado pouco tempo, depois do povo se manifestar, haver recuos.
Seria mais sensato dialogar com as forças vivas, as autarquias, fzer estudos com base nas realidades locais e depois decidir com segurança.
Infelizmente, não é isso que se passa, talvez porque os assessores não sabem onde fica o País (!) acaba tudo por voltar atrás perante as manifestações populares.
Negociar exige força para defender as razões dos pontos de vista das partes. E essa força tem de resultar de manifestações visíveis do Povo que é quem detém a soberania segundo a definição de Democracia.
Um abraço
De Tozé Franco a 3 de Junho de 2007 às 15:22
Em Lisboa, os hospitais vão passar a ter dois locais de atendimento: um apra os locais e outro para os da província. Infelizmente.
Um abraço.
De morffina a 4 de Junho de 2007 às 10:25
Mesmo no litoral não foram grandes negócios... melhor que nada.
Tem é que haver força e vontade para tentar.

Abraço
MF

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.posts recentes

. UM SANTO E FELIZ NATAL!

. Agregacao de Freguesias

. As maravilhas gastronomic...

. VI Jornadas da Etnobotani...

. Ideias de um louco, ou at...

. Outubro e Novembro, tempo...

. Teatro, Exposicao e Passe...

. Fornos de Algodres na Fei...

. Parabens a Escola Element...

. Este sera de certo, o fut...

.arquivos

. Dezembro 2014

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.favoritos

. Bacalhau de Bruxelas.

. Ratzinger.

. No Estado, o absurdo não ...

. 50 anos.

.links
blogs SAPO
.subscrever feeds