Sexta-feira, 26 de Janeiro de 2007
A Serra da Estrela e as placas sinalizadoras!!!
Monumento aos Pastores e Queijeiras, em Fornos de Algodres, com a "Serra da Estrela ao fundo.

Ja ha dois dias seguidos, que leio no jornal diario; "Diario XXI", e no semanario; "O Interior" que as gentes do Sabugueiro e do concelho de Seia em geral, se encontram desgostosas e com razao, pela falta de placas sinalizadoras da Serra da Estrela, nas saidas de Viseu e de Celorico, na nova A25.

Concordo plenamente e creio que sao necessarias, pois todos quantos venham do litoral e do Norte, nao tem nenhuma identificacao acerca das melhores saidas para a "Serra".

So estranho em todo este processo, que as pessoas so se preocupem com elas e nao vejam este tema globalmente. Passo a explicar; para alem de entradas menos importantes, a Serra da Estrela tem quatro entradas principais, pela Covilha e por Manteigas, via A23, e por Seia e Gouveia, via A25.

Ora se as gentes de Seia acham que estam prejudicadas, deviam ver esta falta de placas mais globalmente, vendo que se e verdade que serao necessarias placas em Viseu e Celorico, tambem essas mesmas placas sao necessarias em Mangualde e Fornos de Algodres, dando entrada a "Serra" por Gouveia.

Tambem sinto estranheza, em nao ter ainda visto o autarca de Gouveia, reclamar as placas tambem.
Ja tenho neste "blog" falado em cooperacao entre os varios municipios e, principalmente a falta dela, este e mais um caso em que cada um so pensa em si e no seu concelho.
E que triste e tudo isto!!!
publicado por dalgodres às 12:42
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
Segunda-feira, 22 de Janeiro de 2007
Porque nao, associativismo ou cooperacao?
Um pequeno exemplo de terras ferteis e quase abandonadas, junto a Ribeira das Forcadas!

Porque como ja me chamam "cota", pois ja passei das cinco dezenas de anos, ainda me recordo de ver todos os pedacitos de terra aravel (ou cavavel) cultivados, tambem me lembro dos tempos, em que toda a terra que nao era cultivavel, era florestada, pelo que a minha regiao era das mais verdes do Distrito da Guarda, tanto de inverno como de verao.

Felizmente ou infelizmente, depende do ponto de vista de cada um, nestes ultimos trinta anos tudo mudou. Ja nao e rentavel, devido a escassez e elevado custo da mao de obra, cultivarem-se todas essas terras, coisa que compreendo muito bem.

Tambem entendo que em moldes rentaveis e modernos, muitas das terras outrora cultivadas, nunca mais o seram e a essas, estar-lhes-a reservada a floresta.

Mas o que eu nao entendo nem aceito de bom grado, e ver vales fertilissimos e cheios de agua, ao abandono e sem produzirem absolutamente nada.

Tenho conversado ultimamente bastante com espanhois e principalmente com "galegos" e sei a razao do sucesso da sua agricultura.

Como saberam a Galiza, tal como Portugal e uma regiao montanhosa e onde a terra esta repartida por muitos minifundios, ora qual foi a accao que eles tomaram para rentabilizar a terra?

Foi a associacao e o cooperativismo. Juntaram-se as pessoas de varias aldeias, mediram a terra que cada um possuia, formaram associacoes cooperativas que cultivam as terras com productos rentaveis para cada area, com os mais modernos meios e equipamento. Semeiam, colhem, embalam, transformam e vendem directamente, aos grandes armazens ou superficies comerciais sem haver intermediarios.

Ora uma agricultura nestes moldes e rentavel para toda a gente, porque depois de se contabilizarem as despesas, o lucro e repartido de acordo com a terra que cada um possuiu.

Portanto pergunto agora, porque razao nao fazemos nos o mesmo?
Isto tanto podia e devia ser aplicado na agricultura, como na floresta. Mas nao, somos individualistas demais e preferimos ver "terras de milho e batata" cheias de giestas, enquanto culpamos os varios governos pela nossa pobreza.

Aos governos tanto nacionais como locais, compete dar-nos condicoes de vida como; vias de comunicacao, infraestruturas publicas para uso comum e prover educacao e saude. Todo o resto devia partir da iniciativa individual de cada um, ou da associacao dos varios cidadaos.

Muito gostaria de ainda voltar a ver, as nossas terras ferteis produzir riqueza para todos!

publicado por dalgodres às 03:55
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
Terça-feira, 9 de Janeiro de 2007
Festa- Feira do queijo da "Serra"
"d'ALGODRES"; "heranca judaica" e patrimonio regional.: Festa do queijo "SERRA DA ESTRELA"
publicado por dalgodres às 09:08
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
Quinta-feira, 4 de Janeiro de 2007
Repovoacao de aldeias abandonadas! Porque nao?
Uma das casas da aldeia das "Cortes", junto a Vila Cha (d'Algodres). Esta esta assim, as outras estao muito pior!!!



Ja aqui aflorei embora de relance, uma ideia que ate ja nem e nova nem original; que e a repovoacao e reconstrucao de quintas abandonadas.

Hoje vou-me referir ao potencial economico da possivel e ate desejavel, repovoacao das pequenas aldeias abandonadas no meu municipio.

Ate meados do seculo XX ainda eram habitadas tres aldeias minhas conhecidas e circundantes da minha natal; Vila Cha. Eram as aldeias das "Cortes", do "Crasto" e a "Quinta de Mateus", todas elas incorporadas na freguesia e antigo concelho de Figueiro da Granja.

Sabendo eu que existe em varias partes do nosso pais, vontade por parte de cidadaos europeus; Holandeses, Alemaes, etc., vontade para comprar casas e quintas abandonadas, reconstrui-las e habita-las. O que sera que podera impedir o nosso municipio, para publicitar a existencia destas aldeias abandonadas, para uma possivel e desejavel recuperacao e povoamento?

Ao mesmo tempo deve a autarquia, sensibilizar os actuais proprietarios dessas construcoes, muitas delas em ruina extrema, para a sua venda, sempre tendo em conta o preco actual e, nao uma inflacao que podera ser um obice a sua recuperacao.

Qualquer uma destas aldeias mencionadas, se encontram muito perto, (poucos metros) de estradas municipais e nacionais sendo de acesso muito facil, portanto perto de tudo.

Creio que seria uma das maneiras de contrariar a desertificacao, enquanto eram injectados na economia regional fundos tao necessarios. Portanto vamos valer-nos da nova Auto Estrada 25 e tentar inverter a tendencia desertificadora.

Que me dizem a isto?
publicado por dalgodres às 03:44
link do post | comentar | ver comentários (24) | favorito
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Dezembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.posts recentes

. UM SANTO E FELIZ NATAL!

. Agregacao de Freguesias

. As maravilhas gastronomic...

. VI Jornadas da Etnobotani...

. Ideias de um louco, ou at...

. Outubro e Novembro, tempo...

. Teatro, Exposicao e Passe...

. Fornos de Algodres na Fei...

. Parabens a Escola Element...

. Este sera de certo, o fut...

.arquivos

. Dezembro 2014

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Maio 2011

. Fevereiro 2011

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

.favoritos

. Bacalhau de Bruxelas.

. Ratzinger.

. No Estado, o absurdo não ...

. 50 anos.

.links
blogs SAPO
.subscrever feeds